WhatsApp

69 9205-8984

Ex-presidente da Câmara Municipal é condenado pela Justiça de Rondônia e pode perder cargo de vereador - Jaru na Web

Polícia

09/08/2017 às 16h17 - Atualizada em 09/08/2017 às 16h17

Ex-presidente da Câmara Municipal é condenado pela Justiça de Rondônia e pode perder cargo de vereador

-
FONTE: Rondoniadinamica

Porto Velho, RO – O juiz de Direito Flávio Henrique de Melo condenou o ex-presidente da Câmara Municipal de Jaru Josemar Figueira, o Josemar da 34 (PT), à perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa e à proibição de contratar com o poder público. Tudo isso pela prática de improbidade administrativa. Transitada em julgado a sentença, o petista poderá perder o cargo de vereador, embora não seja mais o presidente da Casa de Leis.


Além de Josemar da 34, foram punidos: Cliver Leandro da Silva, Luiz Paulo Trevisan, Ronildo Pauli da Gama Pereira e a empresa Better Tech Informática e Serviços de Autolmação Ltda – ME.


Cabe recurso da decisão.


Para obter a condenação, o Ministério Público (MP/RO) alegou que os envolvidos agiram de forma a fraudar licitação à contratação de empresa para implantação, treinamento, locação e manutenção de softwares na Câmara de Vereadores do Município de Jaru, no valor de R$ 130 mil.


Sustentou que o Tribunal de Contas (TCE/RO) concluiu que a forma de pregão presencial e a ausência de indicação expressa do endereço do sítio eletrônico para retirada do edital realizado prejudicou o certame para melhores propostas.


Além disso, ainda segundo o MP/RO, ocorreu a ausência de publicação do edital em órgão de imprensa oficial e de circulação ao menos estadual.



Os termos da sentença 


Aduziu também o órgão que o edital apresentou cláusula exigindo presença de condição restritiva (empresas com sede em Rondônia) e exigiu visita técnica ao local antes do certame, bem como inexistiu orçamentos detalhados em planilhas.


Isso tudo teria prejudicado a disputa mais vantajosa à instituição pública.


Arguiu, por fim, que Josemar da 34 e Cliver Leandro, respectivamente como ocupantes dos cargos de presidente da Câmara de Vereadores e presidente da Comissão de Licitação, deveriam ter agido com mais transparência propondo igualdade entre os concorrentes, pois não resguardaram o interesse da Administração Pública, “ao contrário, estabeleceram exigências dispensáveis. Afirmou que todos ocorrem em prática de improbidade administrativa”, encerrou o MP/RO.


“Não agiram a ex-presidente da Câmara de Vereadores do Município de Jaru, o presidente da comissão de licitação da época e a empresa Better Tech Informática e Serviços de Automação Ltda – ME, esta sob a administração de seus sócios Luiz Paulo Trevisan e Ronildo Pauli da Gama Pereira, com probidade a dar legitimidade aos atos administrativos referentes a licitação de n. 001/2013”, destacou o juiz em sua decisão.


Logo em seguida, apontou:


“A omissão em agir com legalidade, moralidade e efetividade, comprometeram princípios éticos ou critérios morais, com abalo às instituições públicas, deve ser penalizada, abstraindo-se meras irregularidades, suscetíveis de correção administrativa”, indicou.


E concluiu:


“O que não é o caso. Restou nítido que as irregularidades supracitadas demonstraram que, acabou por haver o beneficiamento de uma das empresas fornecedoras do serviço de informática buscado”, finalizou.


 


 

Comentários

Veja também

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

© Copyright 2015 - 2017 :: Todos os direitos reservados